sábado, 17 de janeiro de 2015

TREMENDAS COINCIDÊNCIAS!


É um privilégio e grande sorte alcançar a síntese de saberes, confrontá-los e unificá-los, enfim, realizar a verdadeira  “universitas” do conhecimento que cria aquilo que se chama sabedoria. E tanto melhor quando nos é dado viver a simultaneidade dos acontecimentos, cuja coincidência nos faz penetrar no âmago das ideias e da história.
Serve esta brevíssima introdução para vermos de cima a paisagem que presentemente nos comprime, a nível europeu e a nível mundial: as trágicas atrocidades cometidas em Paris. E as que se cometeram na noite de 24 de Agosto de 1572, mais conhecidas pela “matança de São Bartolomeu”, com epicentro em Paris.
Quais as coincidências?  
Primeira: A Religião ou, mais precisamente, as religiões.
Segunda: O oitavário para a Unidade das Igrejas Cristãs.
Terceira: As religiões – reféns do poder e do capital.
Quarta: São as religiões que atrapalham e estragam a Religião.

Quanto à primeira, abra-se qualquer compêndio da História da Igreja (da minha parte vou circunscrever-me ao II volume que estudei no curso de Teologia, já lá vão mais de 50 anos, Histoire de l’Église,  de Dom Ch. Poulet, Ed. Beauchesnes, Paris, 1953) onde se narra a carnificina que a "catolicíssima" Catarina de Médicis ordenou contra os protestantes, tendo sido massacradas 2.000 pessoas, ateando-se depois esse fanatismo às cidades de Rouen, Meaux, Troyes, Lyon, Orléans, Angers, Bourges,  Poitiers, Bordeaux, Toulouse. O Papa Gregório XIII mandou cantar um solene Te-Deum de Acção de Graças e até fez cunhar uma medalha comemorativa, por tamanho feito. Acrescenta a Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira que “a carnificina  foi festejada em Lisboa com uma procissão geral, missa solene em S. Domingos, sermão gratulatório, pregado por Frei Luís de Grananda, repiques e luminárias. Dom Sebastião mandou a Paris um embaixador extraordinário, o Comendador-mór de Cristo, D. Afonso de Lencastre, incumbido de significar a Carlos IX o seu contentamento por tamanha obra, executada com tanto zelo”.

Será caso para repetir a charada: “Qualquer semelhança, entre os dois bárbaros atentados, é pura coincidência”.  Com a diferença que foi a Igreja Católica, portanto  Cristã, a autora assassina contra outra Igreja também Cristã!
A segunda coincidência  deste meu escrito  --- e aqui me fico por hoje --- está no notável acontecimento que amanhã se inicia em todo o mundo: o Oitavário pela Unidade das Igrejas que professam o Evangelho de Cristo. Tremendo paradoxo: uma só Igreja e tantos divisionismos?! Esta campanha estende-se entre o 18 e o 25 de Janeiro de cada ano.
Desde já, quero compartilhar com quem me acompanha que será este o genérico que ocupará o nosso convívio nos dias ímpares que se seguem.
Será um tempo de reflexão, o encontro entre o ontem e o hoje, será a pesquisa da síntese de saberes para tentar interpretar este fenómeno tão belo quanto perigoso chamado religiosidade.
Oxalá sirva para que haja mais “Senso&Consenso” no mundo!

 17.Jan.2015
Martins Júnior