terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

TERÇA FEIRA DE CARNAVAL - A CEIA DOS CARDEAIS


ADEUS, Ó CARNE!

No seu sentido etimológico, entende-se o Carnaval como a tradução latina de “Caro, Válè”, o mesmo que “Adeus, carne, prazeres do mundo”, porque vai entrar a Quaresma, tempo de jejum e abstinência. Os “Sete Magníficos” maiorais da aldeia, reuniram-se em segredo. Mas o “Senso & Consenso” teve acesso a tão estranho conclave, de onde saíu fumo triste:



  Pra dizer adeus à carne
                   Foi marcada uma assembleia
                   Oito cardeais de luto
                   Juntos na última ceia
                   Antes da quarta das cinzas
                   Chegaram à “Quinta Vegeia”
                   Porque o Dono Disto Tudo
                   Marcou prá noite de Entrudo

                   Lacrimejantes os velhos
                   Na mesa do consistório
                   Eram como almas penadas
                   Ardendo no purgatório
                   Com a ementa que lhes deram
                   Nesse triste refeitório:
                   No prato dos maiores nossos
                   Em vez de carne, só ossos

                  
                   Ninguém queria comer
                   Torciam cada nariz
                   Pareciam degradados
                   Expulsos do seu país
                   Entrou o DDT
                   E furioso lhes diz:
                   Já engordastes  demais
                   Agora adeus carnavais

                   O mais moço educadinho
                   Pega logo no seu prato
                   E vai prá casa de banho
                   Vomitava como um gato:
                   “Até  aqui comi do lombo
                   Agora ossos do sindicato
                   Soluça, bebé chorão,
                   Adeus minha Educação”


                   O rapaz de papadinha
                   Indigitado pra Papa
                   Pelo vigia da quinta
                   Vendo-se fora do mapa
                   Pernas pra que vos quero
                   Foi depressa e à socapa
                   Levar ao seu  matadouro
                   O gado do seu pelouro
                  
                   O geronte brasileiro
                   Secretário dorminhoco
                   Acordou pra aquela ceia 
                   E disse “Tá tudo louco
                   Dei saúde à Região
                   Agora levo no coco”
                   E saiu já mortal
                   Prá morgue do hospital


                   Encolheu-se na cadeira
                   O porteiro das Finanças
                   De tanta carne oferecer
                   Pra festeiros  e festanças
                   Só lhe deixaram um dente
                   Carpindo como as crianças:
                   “Agora é que foi de vez
                   A funerária Garcês”


                   Copinho-leite talhado
                   O vice-rei altaneiro
                   Saudoso das franganitas
                   Que vinham ao seu poleiro
                   Não cantava só gemia
                   Num estertor derradeiro:
                   “Emigro prá Catalunha
                   E meto ao Mas uma cunha”


                   “Essa é velha, arranja outra”
                   Disse em tom desagradado
                   A Sãozinha da espécie
                   Aracnídeo dourado
                   Com passaporte e bagagem
                   Deu um  adeus  atravessado:
                   “Cá não perdi tempo nem vista
                   Arranjei-me co’ um turista”

                 
                   O que depois se passou
                   Ninguém sabe nem divisa
                   O UI  foi-se agitando
                   Pior que a torre de Pisa
                   Estatelado no chão
                   Só gritava por Syrisa
                   E berrava como um bruto:
                  “Tragam lume e um charuto”

                   “Ai este palácio-rosa
                   Que me deixou meu avô
                   E mais o bispo Santana
                   Que Noss’Senhor o levou
                   Saindo daqui prá rua
                   Mas meu Deus pra onde vou?
                   Num jardim  com tanta pinta
                   Fico em vigia da Quinta

                   Mas chegou logo um anão
                   E pela mão o busico:
                   “Sei que vendia retretes
                   E contigo fiquei rico
                   Deixa a cadeira ao piqueno
                   Tenho raça de Machico
                   Se não fazes o que eu mando
                   Vou-te lixar não sei quando”
                  

  Pra acudir ao DDT
                   Nesta amarga geringonça
                   Entra um morgado que rima
                   Com os amigos da onça
                   DDT  viu e ouviu
                   O vai-treze do Mendonça:
                   “Vão-me correr da Assembleia
                   E tu da  Quinta Vegeia”


                 “Deste muita corda larga
                   Ao teu delfim-traidor
                   Não te importes,  já enchemos
                   O nosso congelador
                   Da carne desta vaquinha
                   A congelada é a melhor
                   Quinta Vigia de outrora
                   De Angústias ficaste agora”

                
                  E saíram cabisbaixos
                  Tapados como jihadistas
                  Cada qual pelo seu beco
                  Que nenhum desse nas vistas
                  Nem um pingo do seu pranto
Soubessem os jornalistas
Mas ninguém me leve a mal
Porque hoje é carnaval

17.Fev. 2015
Martins Júnior