quinta-feira, 23 de abril de 2015

À CONQUISTA DO PODER POLITICO – o Povo na centralidade

No prosseguimento do relato e respectiva análise dos factos vividos em terras de Machico aquando do “25 de Abril/74”, passo hoje ao segundo posto estratégico operacional da população local  face à conquista do poder. No entanto, ao deslizar, emocionado, os dedos sobre o teclado do computador, paro e fico perplexo só em pensar no frémito e, ao mesmo tempo, na contenção de ânimo dos gloriosos revolucionários de Abril, libertadores de Portugal, durante estas vinte e quatro horas que os separavam do clímax  médio nocturno  em que havia de lançar-se a decisiva cartada da Vitória através da “Grândola, Vila Morena”.
Interrompo e continuo, volto a interromper e, de novo, sigo caminho na descoberta do tal posto estratégico operacional: o Povo na centralidade da viragem do poder político.  Do fascismo para a Democracia.
É da mais elementar constatação da realidade social que o poder económico vive paredes meia com o poder político, coabitam em salões contíguos ou, no mínimo, passeiam-se em corredores comuns, o que tem feito correr dilúvios de tinta e dinheiro em processos judiciais e fugas de capital.
Ora, em Machico, o Povo não precisou de ler as sebentas da ciência política para chegar a essa conclusão: viu-a, a olho nu, diante dos olhos e debaixo dos pés. A própria geografia física mostrou-lhe essa maquiavélica aliança: era a época em que no edifício da Câmara Municipal concentravam-se os mais diversos serviços públicos, desde o gabinete da PSP, o Registo e Notariado e outros afins. Sucede que grande parte dos seus titulares eram e representavam o substrato  do poder económico local, patrões, feitores, comerciantes e, sobretudo, senhorios, os arqui-inimigos dos caseiros espalhados por todo concelho, os quais senhorios usavam e abusavam da jurisdição municipal para amedrontar e espezinhar (é o termo exacto) os seus súbditos e fregueses. Daí em diante estava aberto o mapa das operações: tomar a Câmara. Seria, para os cronistas locais, a tomada da Bastilha. Foi em 14 de Junho de 1974, com a vila de Machico  abarrotando  de cabeças a mais não poder.
De registo memorável foi o gesto do então presidente, Manuel Rufino Teixeira, que fora entregar ao brigadeiro Azeredo, governador civil e militar, as chaves do edifício, logo após o 25 de Abril, ficando em seu lugar o vice-presidente.
Era um coro entusiástico naquele largo côncavo da vila de Machico, entoando uma canção que já circulava por entre as gentes do Caniçal e a trouxeram para Machico:
Esta é a primeira lição
Que nós devemos saber
Sem ter o poder na mão
Nada podemos fazer

  Seguiram-se, nos dias e meses posteriores, muitos e acesos  episódios entre populares e agentes, militares inclusive, nas repetidas vezes em que as pessoas ocuparam o edifício camarário, mas sem nunca causar quaisquer danos, seja nos funcionários, seja no mobiliário, seja nos arquivos. O que o Povo queria era um presidente da sua escolha.  Nessa altura, o Centro de Informação Popular, instalado num prédio da Juventude Agrária Católica, cedido pelo Pároco, Manuel Severino de Andrade, promoveu uma eleição por todo o concelho em cujo boletim figuravam cinco nomes de cidadãos credíveis e a contento da população.  Feito o escrutínio ou prospecção (em termos simplistas e menos apertados que os das actuais eleições, como é naturalmente compreensível) o nome mais “votado” abdicou  -- e fi-lo assim tendo em conta a minha condição de padre --- e passou a dirigir a Câmara, com a anuência de Carlos Azeredo,  o segundo cidadão mais votado. Mas , imponderáveis que se repetem, a população cedo  verificou o logro em que tinha caído, pois  o novo presidente, por manifesta inexperiência política, aliou-se aos corifeus do antigo regime. A revolta redobrou de tom e sem tréguas. O brigadeiro Azeredo mandou o seu lugar-tenente, o major Oliveira, percorrer as freguesias e sítios do concelho para auscultar as populações, até que, em Abril de 1975,  me nomeou oficialmente presidente da Comissão Administrativa do Concelho, o equivalente a presidente do município.
Não serei o narrador mais indicado, para discorrer sobre o alvorecer de Abril naqueles dias exaltantes, uma saga que deixarei para outra mais publicação que já me chamaram a atenção ser meu dever trazer a público.
No entanto, é possível que amanhã, dia 24,  na Quinta do Reboredo, Santa Cruz, venha a abordar novos desenvolvimentos em “Távola Redonda” com notáveis conferencistas. Ou então, na RTP/Madeira em encontro colegial sobre o “25 de Abril”.
Termino com o sublinhado inicial com que me propus aproximar-me das comemorações da Revolução dos Cravos, ou seja, a centralidade do Povo na concretização pragmática da Revolta dos Capitães. Se o Povo não está lá, não há metamorfose social que possa valer.
Nos meus ouvidos ecoam ainda os versos que os populares fizeram e que, depois, tive a honra de musicá-los, cujo refrão (“Festa do Povo/ O Povo é quem trabalha/E faz o mundo novo”)  precedia o anseio de um poder, pelo Povo e para o Povo::
Viva o Povo que trabalha
E dá toda a produção
Ele um dia há-de vencer
E mandar toda a Nação
__________________________________________
Com este texto, perfaço os 100  “dias ímpares” em que nos acompanhámos, desde Outubro de 2014. No meio da profusão de tanta informativa água corrente que nos cerca, pergunto.me se terá valido a pena. Com ou sem “pena”, vamos continuar  a encontrar-nos na ponte destes que, bem desejaria, fossem “ímpares dias”.
___________________________________________
 23.Abril.2015
Martins Júnior