quarta-feira, 27 de maio de 2015

MACHICO RESPIRA SAÚDE

É um deslumbramento sem  ocaso contemplar o maravilhoso mundo da biologia naquilo que possui de mais íntimo, escondido dos holofotes dos dinossauros com olheiras do “ homo erectus” do século XXI.  A beleza da filigrana produzida pelas anónimas obreiras dos casulos mereceu bem esse poético compêndio que Maurice Maeterlinck dedicou À “Vida das Abelhas”. Tanto mais emotivo e atraente quanto se sabe e vê que nos dias que passam o que conta é o grande plano, o efeito, mesmo sem nada feito, mas mensurável  a  olhómetro,  enfim,  o que é espectacular e retumbante, ainda que vazio, desde  que ensurdeça os ouvidos e cegue a vista ao  transeunte comum. Ele é nos futebóis, ele é nos partidos, ele é nas mordomias eclesiásticas pavoneando-se em plumas vermelhas nas praças e estádios.
         Por isso “eu gosto muito mais daquela feia”, perdoem-me, mas sinto a voz do Carlos do Carmo enaltecendo o que,  sem ser vistoso,  guarda a riqueza interior de quem a procura. Foi também nesta perspectiva que E.F.Schumaker  concebeu esse maravilhoso livro “Small is beautiful” (O que é pequeno é belo), um estudo de economia em que as pessoas também contam.
É nesta óptica que aprecio uma iniciativa que, desde há nove anos, a Junta de Freguesia de Machico vem realizando sob o signo de “Feira da Saúde”. Feira, porque é do Povo, pelo Povo e para o Povo. Não se ataviou para a grande ribalta, nem a nossa “TV” das Madalenas se dignou dar cavaco (e já lá vai no quarto dia) nem mesmo o solícito novo Secretário da Saúde se dignou aceder ao convite, nem pessoalmente nem por representação. Ainda bem, acho eu, porque a iniciativa, particularmente nestes dois anos de mandato,  já está habituada a abrir caminho sem muletas nem padrinho.
Mas a verdade é que Machico descobre nesta altura o ouro precioso de um  voluntariado profissionalmente conceituado, ao nível da saúde e sua profilaxia, quer na área do nutricionismo, da actividade física, nos cuidados primários, quer no rastreio presencial, na ginástica localizada, no culto da arte  da música e dança. Outro valor acrescentado manifesta-se na agregação das diversas instituições sediadas em Machico e são muitas  --- desde a infância das escolas até à “terceira idade” --- como pode ver-se no prospecto que aqui se dá por reproduzido. É uma cidade nova que se encontra e reinventa em cada ano, unindo corpos e almas.
Cumpre-me (e nisto acho que envolvo toda a população) felicitar os autarcas da JFM, na pessoa do seu devotado presidente Alberto Olim, bem como à coordenação da jovem e dinâmica dra. Ana Isabel Cunha, felicitação esta  que se transforma em grato reconhecimento pelo trabalho consciencioso realizado em prol da saúde desta cidade. É com iniciativas destas, sem a pesporrência foguetória tão colada a esta Região, que se faz crescer a cidadania e o vigor de todo um povo. Certamente que também  noutras localidades algo se esteja a fazer com a mesma humildade das abelhas anónimas obreiras do Bem Comum.
Parabéns!  Para cumprimentar-vos , não vejo maneira mais cordial e mais saudável senão repetir aquele provérbio antigo: “A primeira e melhor recompensa do dever cumprido é ter cumprido esse dever”.
É esta a vossa maior glória!

27.Maio.2015
Martins Júnior