sábado, 5 de setembro de 2015

A IDA DOS NOSSOS PASTORES À “BRUXELAS ROMANA” – QUE NOVAS VIRÃO ?




No intervalo entre o II e o III Actos da peça que iniciei no último Dia Ímpar, surgiu um aparatoso anúncio publicitário: os bispos madeirenses vão até Roma, na protocolar visita “ad limina”, isto é, aos túmulos de Pedro e Paulo. E achei por bem aproveitar a notícia para aperceber-me da séria relevância (assim deveria sê-lo) desta digressão periódica. O seu objectivo é prestar contas ao Papa acerca da vida de cada diocese. Aí apresentam os bispos portugueses um relatório (exaustivo, deveria sê-lo) sobre o estado da respectiva  “Nação Diocesana”. Assim sendo, bem poderia comparar-se esta viagem àquela que os Primeiros-Ministros fazem a Bruxelas para dar conta da saúde financeira,  do estado social, da execução orçamental, enfim, da real situação do seu país.
Não sabemos que levarão na bagagem os nossos prelados regionais. Não consta que tivessem proposto à consideração dos órgãos representativos dos diocesanos o referido Relatório. Seria de suma importância tomarmos conhecimento, senão do texto integral, ao menos dos “itens” principais, a hierarquização dos problemas que à Igreja local se põem ou, por que não, propor as adendas de certos temas de interesse público para a cristandade regional.
Não é difícil imaginar os arcos triunfais de cada dossier,  sob as quais passarão as lusas mitras, como também é perfeitamente alcançável o estilo rendilhado das   iluminuras que ilustram as páginas untuosas, coloridas, como os vitrais das catedrais góticas, com que descreverão os bispos madeirenses a epopeia da  Fé  e do Império na sua diocese. Não faltarão os encómios do Congresso dos 500 anos ( pelo que se viu, melhor seria titular de Congresso dos 400 ou 300 anos, tal a premeditada orientação de ocultar a história da diocese, no que de mais  próximo tem dos nossos dias. Hão-de descrever a religião-espectáculo, as grandes procissões, a participação episcopal  nos arraiais de verão e, de inverno, nas Missas do Parto, com a avalanche de cristãos  a inundar os adros, as avenidas, as praças públicas. Não faltarão as referências aos afectos e edificantes relações dos bispos com o governo regional que lhes fez igrejas, sacristias e casas paroquiais.
Quanto ao mais, eles não levarão nada nem ninguém na bagagem que sirvam  de testemunhas. Ó perfeito segredo dos deuses, contando de antemão com “advogados” seus, nossos conterrâneos,  bem colocados nas cúrias e congregações ou dicastérios (tribunais) do Vaticano! Certamente, não virá a tona de água uns resíduos sequer do Jornal da Madeira e da sua entrega ao poder político regional. Pelo contrário, até dirão: “Foi o Espírito Santo que nos soprou a inspiração para nos retirarmos a tempo, isto é, antes da visita  “ad limina”. Perante o Papa da inclusão, esquecerão os nossos bispos de relatar a mais sádica exclusão a que sujeitaram uma paróquia, esquecer-se-ão de auto-incriminar-se por se recusarem hã mais de 40 anos administrar o Crisma  nessa igreja  e –oh suprema amnésia ! --- passará em branco e  negará , talvez, o actual bispo que não deixou a Imagem Peregrina entrar no adro dessa mesma igreja. Que dir-lhes-á o Papa da inclusão e  das periferias quando (e se) lhe disserem que mantêm um padre suspenso há décadas sem julgamento, nem sequer processo canónico formado?
Quanto ao prelado reformado, lembrar-se-á o senhor que, de parceria com o governo,  mandou a PSP em peso ocupar  um templo católico, durante 18 dias e 18 noites?  Certamente, tecerá como uma novela “brasileira”  o caso de  um tal padre Frederico, pederasta relapso, evadido da cadeia e comparado pelo próprio bispo a Jesus Crucificado e, por tal, nunca foi suspenso da diocese?...
Perpassa-me pela retina a reacção do Papa Francisco perante tamanha profanação, sobretudo porque foi ele, Francisco Papa, que deu ordens terminantes para denunciar aos tribunais judiciais os superiores hierárquicos que encobrissem casos destes. Acabou de falecer, imprevistamente, o cardeal polaco Joseph Woselonwky, de 67 anos, cujo processo estava já pronto para julgamento.
Enfim, espero que aos dois antístites madeirenses, não se lhes aplique, nesta viagem, aquele rótulo  com que o Papa Francisco criticou, no ano transacto, certa hierarquia, a quem chamou  “bispos de aeroporto”.
Vamos aguardar que novas trarão os nossos residentes embaixadores pontifícios. Integrar-se-ão, enfim, no caminho novo (porque antigo e autêntico) que traçou o Papa Francisco ou posicionar-se-ão ao lado dos 17 cardeais da Oposição, de que nos falou hoje Anselmo Borges, na sua crónica semanal do “Diário de Notícias” de Lisboa?
De Bruxelas sabe-se sempre qual o teor da apreciação que os órgãos decisores europeus fazem dos relatórios nacionais. Veremos se algum lampejo surgirá da “Bruxelas Romana” a iluminar ou a rasurar certas páginas do Relatório Diocesano. O nosso bispo disse que iria oferecer aos túmulos de Pedro e Paulo as suas orações pelos madeirenses. Esperamos mais,  o que nunca aconteceu, de há 8 anos a esta parte: ACÇÃO. Eis o lema de Francisco Papa, Acção!

5.Set.2015
Martins Júnior