domingo, 17 de abril de 2016

"NÃO ME FALEM MAIS DO PAPA" – Estranho paradoxo!


É verdade que não trago nada de original neste nosso dia ímpar. Mas sacrifico a originalidade à eloquência do gesto, este sim, tremendamente ímpar e provocador de Francisco Papa. A terra está cheia, hoje, da grande nova ocorrida na Grécia. A  minúscula ilha perdida no largo oceano  tomou conta do mundo inteiro, só porque um Homem – o Homem Novo! – ousou abraçá-la como quem abraça um filho moribundo.
A gravura, a mesma hoje mil vezes repetida, revela que a arte e a ciência também nascem na ponta dos dedos: o artista que a concebeu  sintetizou soberanamente o mais belo poema e a mais altissonante partitura que sobre o caso poderia alguém compor. Tão emotiva quanto a imagem é a sua legenda: “A Próxima Ceia”! A próxima e não a última. Talvez a primeira, entre muitas que estão por acontecer, não apenas àqueles doze  refugiados (o número é o mesmo que o dos Doze a quem Jesus lavou os pés na última ceia) mas a milhares e milhões de vítimas foragidas que Francisco simbolicamente trouxe para sua casa, Roma. Imagino que maior que o conforto de os ter trazido foi a mágoa, talvez o desespero, de não poder trazê-los a todas na sua nave, esta sim, verdadeiramente peregrina.
Que portentosa “arma” manejou o Mensageiro da Paz! Já o tinha feito noutra ilha, a de Lampedusa, e agora, no mais aceso da refrega dos líderes europeus em erguer muralhas e fechar fronteiras, precisamente aí é que aparece o Arcanjo Libertador brandindo a sua voz de fio de água corrente contra os “faraós” ocidentais, sem um pingo de alma, que fecham os olhos à miséria humana e arregalam-nos para os offshores onde vão esconder as barras de ouro amassadas com o sangue, o suor e as lágrimas dos inocentes.
É neste gesto, oportunamente concebido, que vejo em Francisco Papa um genuíno Provocador da “indiferença globalizada” (é sua a expressão), dando a cara à luta, corajosamente, mesmo sabendo que se expõe à fatalidade de o liquidarem. Comparável ao seu protótipo, Jesus Cristo! Logo hoje – outra inteligente coincidência – o Domingo do Bom Pastor, aquele  que enfrenta o lobo devorador   e  “dá a vida pelas suas ovelhas. Porque é pastor e não é mercenário. Este, o mercenário, vê o lobo aproximar-se e foge”, entregando as  ovelhas à voragem dos lobos.
O maior fez-se o mais pequeno. “Só me dá para chorar”, desabafou. É certo que se o Papa de Roma estivesse à cabeça de qualquer país de acolhimento teria de ponderar, até à exaustação, os orçamentos e os meios logísticos para tentar resolver uma tão trágica calamidade. Mas, ao mesmo tempo,  tenho para mim que este Homem fez hoje pela causa dos refugiados de guerra muito mais que os solenes tratados oficiais de Bruxelas, de Paris, de Berlim.
E aqui está o estranho paradoxo com que titulei este momento de reflexão: Não me falem mais do Papa Francisco. Porquê?... Porque não se pode ficar insensível perante a sua palavra. Apetece sair, ir ao seu encontro, gritar, enfrentar os lobos sedentos do sangue do rebanho. Ele mexe connosco. Ele acusa-nos. Ele põe-nos irresistivelmente em marcha.
Mas, na mesma hora, chega-nos aos olhos (é o que sinto) a inércia comodista da hierarquia católica, a começar pelos bispos, os seus silêncios cúmplices com os poderosos do mundo, a sua mitra senhorial que não se “suja” com os problemas alheios, os tais entes sacrais que têm “horror ao cheiro das ovelhas” , como já o disse o Papa Francisco. Se é irresistível a voz mobilizadora do Papa, na mesma medida  é insuportável a “cobardia” de bispos e certos eclesiásticos. Aliás, permitam-me este desabafo, com o qual estareis de acordo ou não: incomodou-me ver aqueles Monsenhores de  sotainas cintadas de vermelho e cordão de ouro ao pescoço diante dos miseráveis sofredores da ilha… Não quadravam bem aquelas fardas de gala em contraste com a simplicidade do Papa e o dramatismo do cenário envolvente. É uma opinião, fruto da minha sensibilidade.
O paradoxo inicial – precisamente por sê-lo – toma outra dimensão: É preciso que se oiça aquela voz. A História do homem sobre a terra precisa urgentemente destes montes altos, que aparecem de longe a longe, para não perdemos a bússola do caminheiro. Essa voz é, nos nossos tempos, o GPS da Humanidade. Que nunca esmoreça. Que os seus braços, como os de Moisés no Monte Sinai, nunca desfaleçam. Ao menos, para lenitivo daqueles que, de todos os meios e profissões, acalentaram o sonho de tornar esta terra mais habitável para os seus inquilinos, os presentes e os futuros.
Fazendo eco do bíblico jovem Samuel, no “Livro dos Reis”, apetece repetir: “Fala, Senhor, estamos em escuta”!

17. Abr.16
Martins Júnior