domingo, 3 de abril de 2016

O OUTRO “MENINO DA SUA MÃE” – Cinco anos depois

Foi em 2 de Abril de 2011. Após a morte súbita, aos 20 anos de idade do Luis Filipe, nosso amigo, colaborador e elemento da nossa Tuna, escrevi esta mensagem que nunca tinha tido coragem de entregar à  Natália, sua mãe.  Neste dia (ontem), passado o primeiro lustro,  na comemoração comunitária do 5º aniversário do trágico acontecimento, entrego finalmente a uma mãe, até hoje inconsolável,  a antiga mensagem, extensiva ao marido e ao novo rebento,  a Vitória, renovada primavera daquela casa.,


Ele era o cordão umbilical
Que te ligava à terra
E onde corria o ar que respiravas
Era ele que trazia
Cada noite cada dia
O arco doce
De uma manhã de Abril
Por mais negro que fosse
O basalto das montanhas circundantes

E mesmo que o sol se finasse
E o sangue já não corresse
No seu passo de menino
Na sua face
Os trilhos ficavam de luz
O basalto era ouro fino
Que se abriam à tua passagem
E por ser único
Nenhum outro se te dava

Mas um dia – e ontem foi –
O menino fez viagem
O mar largo sem retorno
Veio buscá-lo

Na manhã de Abril
Levou consigo todas as manhãs
A mãe-terra e o cordão

Cortaram-te a respiração

Vi-te  então
Imagem sagrada
 Olhos ausentes pele inteira de lilás
A maior das Pietás
Com um filho morto nos braços

Amanhã
Vou ajudar-te a deitá-lo no berço branco e breve
Do universal navio
Que atravessa aquele rio
De lágrimas lavrado
Em demanda inacessível
Da Ilha do outro mundo

Deixa-o ir
Não chores mais
Talvez a encontre, a Ilha inexistente
Aos olhos dos que esperam
Na amarração deste cais

Tão novo
Deixou-te o testamento
Das vinte estrelas gigantes que lhe acendeste

Abre as mãos e vê
Galáxias, vezes vinte  mil,  renascidas
Das estrelas que voaram
Entre as cinzas de outras vidas

De Natal foi o seio
De onde veio
De cravos
A mortalha que o levou

Acredita:
Um dia virá
De acordes alleluiah
E uma vitória infinita
Ao mundo proclamará
O que ainda não ouves nem vês:
Serás “Natália” de novo
E será Abril outra vez



03.Abr.2016
Martins Júnior