quinta-feira, 5 de maio de 2016

ÚLTIMO PAINEL DO TRÍPTICO DE TODOS OS ABRIS --- o “Depois”


Tão depressa soltou-se do calendário a folha de Abril para dar  caminho à sucessão interminável dos dias e dos meses. Mas Abril não morre nunca. Abril, como o Natal, “é quando o Homem quiser”. Se bem se lembram os benévolos acompanhantes desta viagem falada e escrita, dia sim-dia não, iniciei em 21 de Abril uma espécie de tríptico sobre a fenomenologia dos Abris de todos os tempos, subdividindo-o no Antes, Durante e Depois. Reflectidos que foram os dois primeiros painéis, debruço-me sobre o terceiro – o Depois – pretendendo com isto responder à questão que a todos se nos põe: Por que razão se repetem as revoluções, que estranho pendor tem a sociedade de lutar por outro Abril, novo, doloroso e fulminante como o que lhe precedeu?
Eis o cerne da História, de todas as histórias:  as de outrora, as de hoje e as de amanhã. O tema é vasto, mas tentarei sintetizá-lo, a partir dos três períodos revolucionários, anteriormente citados, da historiografia portuguesa
Após a grande vitória sobre a crise de 1383-1385, Portugal abriu-se a novos mundos, à ciência e ao fulgor quinhentistas. Parecia o “EL Dourado” sem termo. Mas a porta de entrada das riquezas das Índias foi também o portão da pompa e desmesurada ambição que vitimou a coroa portuguesa em Alcácer-Quibir, de onde resultou o aproveitamento sem escrúpulos do domínio de Espanha sobre o nosso território, com a conivência de cortesãos lusos traidores à pátria. Foi preciso luta e foi preciso sangue para restaurar a dignidade perdida.
Novo ciclo começa, alçando-se até ao fastígio joanino, com o elitismo do Quinto Império, enobrecido pelo ouro do Brasil. De novo a “moleza” toma conta do Reino e faz surgir o “despotismo iluminado” de um Conde de Oeiras, Marquês de Pombal, seguindo-se-lhe o depauperamento dos centros de decisão e, daí até  à disputa do território por franceses e ingleses, foi um ápice. Para salvar a pátria  dividida e denegrida, foi preciso de novo o massacre do general Gomes Freire de Andrade às mãos do absolutismo recalcitrante de então, odisseia esta imortalizada por Luis de Stautt Monteiro em Felizmente Há Luar.  A população amordaçada e submissa cedeu o lugar a sucessivas e encarniçadas revoltas que culminaram no assassinato do Rei e na proclamação da República.
Conquistada a República, repetidas ameaças originaram confrontos terríveis, devastadores da unidade nacional, consequência de um Povo que nunca antes aprendera nem exercera a influência directa da sua força na condução dos destinos do seu país.. E por via disso, anseia um “salvador da pátria” , um “caudillo”, um ditador, personificado no “homem predestinado por Deus – assim proclamava a Igreja pela voz do Cardeal Cerejeira – para salvar Portugal”: Oliveira Salazar. Redobrados tormentos amontoou o Povo sobre as costas, o Povo miúdo, que deixou prender e matar aqueles que o queriam libertar da nova ditadura do fascismo galopante. Quase 50 anos de repressão e “pacífica” ditadura! Voltáramos a 1383, explorados e espoliados pelo “senhorio” da casa pátria. Até que, em plena madrugada de 25 de Abril de 1974, “Portugal entrou de novo no clarão do Novo Dia”: assim cantaram, domingo passado, os jovens de Machico no Largo da Restauração, Funchal.
E agora?... Quando é que será preciso fazer um outro “25 de Abril”?
A palavra é nossa. Como nossa é a resposta. Não basta uma vitória temporal para assegurar um Bem-Estar estrutural. Olhando em retrospectiva, a conclusão é límpida e inquietante: sempre que um Povo se embriaga com o sumo da Vitória e, depois, se acomoda inerte e paradoxalmente “feliz” com o embalo sonolento dos que lhe anestesiam a mente e o corpo, aí começa a degradação, aí  mergulha na antiga servidão. E quando tenta sacudir o pesado cobertor em que o envolveram durante décadas e décadas, já é tarde, porque perdeu a sensibilidade de olhar e reagir. Outra vez, serão roladas cabeças de inocentes vítimas +elo único crime  de lutar  para reacender a chama libertadora de outrora.
Conclusão: É urgente manter-se em alerta máximo perante os detractores do “25 de Abril”. Porque a porta por onde entraram os libertadores é a mesma onde espreitam os coveiros da Liberdade que preparam na sombra o mafioso regresso. Não precisamos sair de casa para sabermos disso: o nosso mais recente passado fez  da Madeira  o laboratório perfeito de quem se serviu do “25 de Abril” para reimplantar  regime castradores, mascarado de autonomia.  
A Democracia não é produto que se guarde ciosamente no congelador. É um corpo vivo que, tal como a amizade, exige um assistente, um cuidador, uma sentinela. No trabalho, na escola, no campo, na oficina, na igreja. E há tanta gente que, por um prato de lentilhas comido às escondidas, entrega a casa e o castelo aos invasores, predadores do Bem-Estar Social de todo um Povo. A Democracia ou se rejuvenesce ou apodrece, não há meio termo. Correndo o risco de ferir a sensibilidade de quem não se situa neste patamar de análise (o que igualmente respeito), aproveito este 5 de Maio para trazer à mesa o princípio dinamizador do filósofo e sociólogo Karl Marx, nascido precisamente em 5 de Maio de 1818, o qual, na esteira do compatriota Friedrich Hegel, interpretava a História à luz do método científico da “análise, antítese e síntese”, isto é, da dialéctica – o crescimento numa espiral cíclica. A sociedade move-se num constante curso dialéctico.
Ou então, na mesma linha, repetirei o pré-aviso do Mestre da Galileia: “Estai vigilantes”!

05.Mai.16

Martins Júnior