terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

CARNAVAIS HÁ MUITOS. O NOSSO TAMBÉM!

                                                 


Pelo sonho é que vamos - disse ele, o jovem sonhador Sebastião da Gama. E pelo carnaval também – dizemos nós durante estes fugazes três dias de saudável catarse.
Porque carnavais há muitos. Como os chapéus.   Desejável até seria que fossem tantos quantos as cabeças, os troncos e membros de cada folião que habita dentro de cada um de nós, marchantes-à-força nos ‘sambódromos’ da vida. Precisamente por isso, os corsos carnavalescos não deveriam obedecer a figurinos estandardizados e a estereótipos importados. A originalidade criativa e a identificação com a idiossincrasia popular de cada lugar é que têm prioridade sobre qualquer outra imitação, por mais envernizada e emplumada que se apresente.


Certos desfiles dão-nos a impressão de que os protagonistas são os espectadores e não os actores. Tudo é feito para fora (por isso se lhes dá o nome de forasteiros) em vez de assumir-se como uma emanação telúrica de um povo, da sua capacidade estético-satírica. Aprecio imenso os cortejos de cada terra, os endémicos, ricos dessa produtividade singular, diversa de todas as outras. Costuma dizer-se  que em 1500 colonizámos o Brasil; agora é o Brasil que nos coloniza a todos com novelas. E com  carnavais, acrescento eu. Até nas próprias músicas, tiradas à fotocopiadora. Enfim, cada um “abana o capacete” como quer. É a liberdade que se aparenta, mesmo que se a não tenha.  
Pela nossa parte, CCCS-RS, Centro Cívico-Cultural e Social da Ribeira Seca, apresentámos música e letra originais, (tentando um ‘mix’ entre os ritmos-samba e a vivência local Machico/Madeira) com uma dedicatória muito nossa: Homenagem ao grande artista, cantautor MAX, no 1º centenário do seu nascimento que ora se festeja. Juntou-se o refrão à voz do próprio MAX, Rei do Carnaval, interpretado cenicamente na plataforma rolante. Jovens e adultos deram corpo à ideia que marcou todo o cortejo, pelo humor, frescura e simplicidade.


Aqui ficam alguns excertos mais representativos, com agradecimentos à Câmara Municipal, promotora do evento, e aos vários colaboradores particulares. Domingo próximo, o CCCS-RS estará no Santo da Serra, assinalando desde logo a gentileza da Casa do Povo local.  

13.Fev.18
Martins Júnior