quarta-feira, 7 de março de 2018

A MULHER SEMPRE ! - NO PRINCÍPIO E NO FIM



                   
Escrevo na corola da noite que amanhã será
Dia-Mulher
Gosto de vê-la assim
Que outra não há:
Bico que picou a nebulosa
E logo ela se abriu em estuários de luz
Semente de sementes
Estrela de estrelas
Mária-mátrix de todos os mares
Onde estiveres e para onde caminhares
É assim que te vejo
E sempre quero ver-te
Indecifrada de linhas
Escassa de carne ou pulcritude
Nua de  peso e altitude
Mas sempre enorme, maior do que adivinhas

Sejas pluma de ave ou guelra de cetáceo
Sejas a anónima inquilina do gineceu longínquo
Óvulo de réptil
Ovário de toda a ânima-fêmea
Vejo-te sempre Mundo e o antes dele
Bosão-embrião
Que pões o mundo em chama
E o transportas candente na tua mão

Vénus e a Madalena
Mulher-soldado d’Arc  e a Marselhesa
Amazona Malala e Catarina, a Portuguesa,
Todas trazeis
O código da vida
E a balança das leis
Que geram raízes do mundo que se quer

No princípio era o Verbo e a Mulher
No fim o verbo passa
E o Mundo recomeça
Na ternura e na graça
De um corpo de Mulher

07.Mar,18
Martins Júnior