quinta-feira, 5 de abril de 2018

UM DINOSSAURO DE FOGO


                                               

Fogo é paixão. E é ternura. É caminho aberto. É alvorada nascente. É dádiva do presente e promessa do amanhã,
E tudo isto é Machico,
Por isso, a dedicatória de hoje vai toda para o brilho ímpar do fogo nascido na palma da mão das gentes locais, que a objectiva de “Eduardo Costa Produções” registou e mostrou ontem no ‘Forum’ Machico.
A apoteose das chamas descrevendo volutas de sonho e rotas longínquas nos veleiros da noite por todo o anfiteatro de Machico basta para compor a ode triunfal que ecoa por entre a sucessão de vales das terras de Tristão Vaz.
                                                      

Parabéns a Eduardo Costa e a todos os seus colaboradores. Louvor maior aos artífices de Machico, quase todos jovens, que todos os anos perpetuam a presença anímica dos seus antepassados. Aproveito também para agradecer as saudações que me foram enviadas, a propósito da letra e música, compostas há 50 anos e então exibidas ‘ao vivo’ e coreografadas nas festas locais.
Faço votos para que um dia possamos ver acesos os fachos em todo o perímetro do vale, tal como se faziam desde tempos imemoriais.
A minha homenagem a todos os obreiros deste precioso documentário expressa-se neste  caloroso convite: “A NÃO PERDER”.

05,Abr.18
Martins Júnior