terça-feira, 5 de junho de 2018

RELÓGIO SEM PONTEIROS, DIA DO AMBIENTE


                                                       

Hoje é dia de ser são. Dia limpo. Dia da respiração.
Ele amanheceu criança, mãe de água, dando de beber ao verde moço.
Depois, é  respirar o sol do meio dia.
Despir-se à suave brisa da tarde e deitar-se no colo materno das noites brancas.
Até que chegue a última, onde o respiro derradeiro seja igual ao primeiro, tão consciente quanto o inconsciente. E, por isso, serenamente feliz.
Hoje é dia de esquecer Ricardo Reis, adiar Álvaro de Campos e fechar o Livro do Desassossego.
Hoje é dia de ficar só com Alberto Caeiro na alameda-poeta  das árvores que não rimam.
Em tuas mãos repouso e canto, Feliz Dia do Ambiente!

05.Jun.18
Martins Júnior