quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

FALA DO ZECA NA LOUSA Nº 1606 – 30 ANOS DEPOIS


Nem mausoléu nem flores
Nem mesmo campa rasa
Nem tubas nem tambores
Não me tragam rosas bem-me-queres
Porque eu não estou aqui
Nunca foi esta a minha casa

Vagueio errante mas não errado
E  estou sempre onde estiveres
Do outro lado
Onde o sol corta a vidraça negra opaca
Dos humanos covis

Eu estou em ti
Tu és o meu país
Que desbravo e cavo
Para encontrar  
Vermelho como um cravo
O corpo morto do meu povo cativo

Se o trouxeres quente redivivo
Eu estou lá

E levas-me contigo
Sem medo  e ‘maior que o pensamento’
porque és tu aquele  amigo
Que eu chamo a cada  momento

Sou eu que te procuro
E pego no teu braço
Para esconjurar o fosso escuro
Dos tarrafais fechados nas ruas
Nas fábricas nos montes nos rios a-céu-aberto
No casebre ou na vivenda onde tu moras

Se avisares a ‘malta do que faz falta’
Se afrontares os ‘vampiros’ de todas as horas
A tua voz será mais alta
Que  as mais sonoras
Baladas ‘verde maio verde milho’
Deste migrante ‘andarilho’

Não me tragam mais troféus
Nem me lembrem mais os pides  as prisões
Nem palmas nem medalhões

Porque eu ando por aí
Em tudo o que canta
Em tudo o que clama
Em tudo o que se alevanta
E olhando o sol sorri

Eu não morri
Porque vivo em ti

23.Fev.17
Martins Júnior