quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

ANO NOVO, NA LARGADA! QUAL A TUA ROTA?

                                              

O navio já partiu. Ainda se ouvem os ecos sonoros das fragatas à distância, restos da ressaca inicial da meia-noite. Já avistamos o pico dos horizontes futuros que nos chamam mais ao largo. Não será mais  a prosa dos dias insossos, mas a pujança da vida que vamos afrontar. Pouco a pouco, o Ano Novo começa a pespontar na silhueta das madrugadas  lampejos de esperança.
Lá longe de nós, a aproximação, ainda que  pela via desportiva, das duas Coreias, a fúria e a desagregação interna do gabinete de Trump (presságio de dias menos sombrios para o mundo), os 1300 refugiados que o Papa Francisco convida a almoçar consigo, enfim, as descobertas científicas no âmbito da medicina – tudo converge e nos convoca para entrar na tripulação do navio que descreve a rota da história presente, a nossa.
Dentro dos nossos territórios, cresce  a onda saudável sobre temas candentes, como o uso da ‘cannabis’ para fins terapêuticos. Saúda-se a frescura dos debates entre duas candidaturas partidárias a nível continental, o mesmo aguardando-se  para idêntico e cabal esclarecimento de todos os socialistas que vão escolher a liderança regional. Debater é altamente terapêutico e promissor. É na agitação das águas que elas se purificam. Ainda a nível diocesano,  o surgimento de casos anómalos, como o do Monte, servirá de mote para definir que tipo de Igreja e que estatuto de ‘ministros sacros’ pretende o povo crente da Madeira.
Serão inúmeras as estrelas a descobrir e a acompanhar neste, ainda caloiro, 2018. Destaco também as livres iniciativas – públicas ou privadas – que se devem propor para as comemorações dos seiscentos anos do Achamento da Madeira. E, por fim, dentro de cada um de nós e em seu redor, há outras descobertas, vibram apelos urgentes que esperam por nós.
Qual a tua estrela, seja a tua bússola. Acrescenta, aqui e agora,  a tua rota, mas que seja coincidente com a meta global que a todos nos faz correr: a felicidade, o bem comum.
  Boa viagem, na largada!

11.Jan.18

Martins Júnior